São tontos todos esses devaneios
Beijar a boca de outra pessoa
rastejar no asfalto quente
me ver livre dos restos mortais de um corpo decadente
alterar o padrão do código linguístico
armar uma inverdade digna de governantes
criar de mim um fantoche fictício fugaz
não lembrar nem de si nm de mim a própria historia
recordar com a corda amarrada no pescoço
o prazer insone da lógica que vos governa
São loucos esses devaneios
arrombar de rompante o túnel falsificado
do perceber este momento
reunificar uma raça só que se segmentou por
se deslumbrar por insignificantes diferenças.
Eu quero o tonto e não sonoro desejo
Eu quero a cambaleante e bruxeleante luz
da rota que construo com a minha própria mão
e a luz advinda da estima de todos que fazem o mesmo.
Eu desejo o colo sangrado e reconstituído da mãe
em seu recém aberto ninho.
Abrupto corte
Refeito de realidade
o que realmente quero ?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.