Engraçado perceber o que é o mundo fora
estranho encontrar como está o meu mundo dentro
triste perceber o que não faço
o minha palavra não corta
o que meu sangue não sente.
De quantos anseios eu preciso para me encontrar ?
De quantos desejos eu preciso para me satisfazer ?
Nessa eterna busca quente
Nesse imenso buraco negro
No que há força imersa que suga tudo pra dentro
e depois devolve
e não se sabe donde e nem como
Vem como insatisfação
Vem como um universo dentro de um mundo
e com raiva
Vem como gelo no copo de água com limão no dia de ressaca
vem como a espremidinha do bar numa tarde insólita.
Não vem como no encontro rápido de ir ao cinema.
Não vem
Não vai
Nem quebra, nem porra nenhuma faz
Vem fica e esteia na garganta
no peito
no centro no âmago
Nú no inconcluso do mundo
Nú no absurdo do mundo
Nú absolutamente nú e desatinado
sem tempero, sem tempo, sem dengo
sem nada
Múúúúúúúúú absolutamente mú vaca insatisfeito
Nada sinto para procurar e identificar o que é lastro de sentimento
que me move por dentro.
Rasgar a alma
Rasgar a fibra indistinta do músculo do braço
Rompimento
a vida é um eterno rompimento
seja da placenta, seja da querência, seja de romper a si mesmo
em tardes folgadas da noite de antanho.
É querer libertar
é no final ter um único momento de reflexão agudo
É trazer pra si o valor mais alto do que se cria
fora ou dentro de si
Trilhar, brincar, se insatisfazer
reclamar, bradar, gritar e dizer em alto e bom som
Meu corpo e minha alma respeitam a uma ética
antiga em que o meu motivo de fazer aquilo que gosto me traz a reflexão
mas pura do momento mais solitário

Romper é confundir tudo o que é consolidado num único momento de sentatez
perene e voltar ao lugar mais miúdo mais diminuto da alma
é relaxar pra gozar a fim de gozar

Rompimento é o ato feito, flagelado, degradante do arrependimento da sensação
escrota que desdobra a veste com raiva vasada de alguma foz que era de um nó
sem a mínima e autêntica glória.

Romper é passar o sofrimento da dúvida clichê da escolha que ainda há de nos assombrar

O rompimento é viver o momento antigo e deixar pra lá

Rompimento é fazer o discurso da Clarisse que o ovo é ultrapassar a própria casca de si e soletrar o próprio nome verdadeiro.

Rompimento é sobreviver vivendo levando as coisas passadas como experiência recém-lavada dentro da bagagem e deixar mofar e se deteriorar.

Sobre viver não há o que dizer. É apenas viver e largar mão
Mas não é apenas
É fator principal do que se busca e não se encontra
é sempre buscar no infinito de possibilidades o estar sozinho
sendo mesmo que sendo um estar acompanhado.

Ainda temos o comportamento de manada
o mundo vai acabar
deixa a merda rolar.

Ainda tenho o comportamento condicionado
de não ser a minha vontade.

Ainda tenho carrego comigo o labor de sonhar e tentar realizar

Um blues antigo, um arrepio novo, o melhor samba de todos os tempos da última semana
um artigo um ar petrolífero sujando o que um dia ou outro ia se alastrar pela praia

Um rompimento inato.

Rompimento palavra hiata de não conceber
Rompimento não é concepção nem conceição
Rompimento é o transformado saindo do ventre

É não achar um lugar próprio e acabado
é achar o lugar que por propício é inadequado
é um lugar inóspito e quebrado
é um lugar
Isso rompimento é um lugar onde não nos queremos nos achar mas a hora em que ele acontece nos eleva a isso.

Eu sou
e estou aqui nesse pequeno momento.
Ele e eu não somos nada
talvez peixes perdidos a nadar no mar
e vivemos o que nos pune, agrada, amarra, magoa, mata e nos faz viver.

Tempo
Eu tenho o meu e você tem o seu
nos comprometendo, nos afagando, remetendo ao um outro assento em que estivemos sentados no passado
Éramos ou somos pasageiros. Lógica símia, lógica longínqua e similar

O corpo pede a alma reflete
o espírito se destrai e nos merece novamente.

Um pequeno louco ainda tulmutua dentro mim
algo que me move
que se derrete
e me deixa sabendo o que deveria ter feito e que só agora tenho as ferramentas impunes para mudar.

Vento frio rompe a alma
eu mudo
estou na Paulista pusilâmine e começo a compreender as regras do jogo
da vida que não quis e da que pretendo mudar
sou fato e fator
e isso me traz a dor da querência e da eterna ruminância.

Tiago Felipe Viegas Carneiro 03/12/2011

Explicação: essa poesia hoje acaba aqui mas continua como eu continuo insatisfeito sem ter uma obra final que me preencha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.