bagagem

se despreender da dor sempre o foi mais difícil durante as madrugadas.
as sensações beirando quase o prazer de ser entendido por outrém
que também se condoeu,
imaginar isso era um prazer,
finalmente me entendiam,
finalmente fora o meu discurso egóico, eu também entidiava.

mas meu único jeito foi pelo discurso palavroso,
não foi pela ação,
eu só entendia a ação pelo crivo convicto e interpretativo das palavras.

e elas combinadas com a minha fantasia sempre foram muito cruéis.

é como se consubstanciasse na minha pessoa algoz e herói.
não era possível então me entender em poucas palavras.
eu sou aquilo que não vejo de pronto
sou aquilo que me reservam como culinária, só que em palavras.

sou sempre o depois da ação. sou sempre o depois do outro.

sou sempre o que se lavora moendo.

se o meu sentimento fosse um café seria perfeito, mas eu sempre remoou o que tem do pó
para fazer meu próprio monstro de argila.

posso remodelá-lo.

agora é transformar, o pó de café, os sentimentos e a argila.

Tiago Felipe Viegas Carneiro  23/07/2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.