Manhãs raras

Manhãs raras

I

São confusas as sensações
vem de cintura em cintura
e tenta procurar o corpo
que dará calor ao amanhecer.

O vento vazio da manhã
que se cria se preencherá
de um ar mais frio, denso
e menos dinâmico.

São profundas as inexatidões
de amar tanto tudo ao mesmo tempo

II

Venta o ar matinal nas videiras
Contorce o dorso dos troncos
Vida inteira se agarra e se aperta

III

Talvez como videiras
produzamos a melhor fruta
ao dobrar o dorso
no encontro com o vento.

Tiago Felipe Viegas Carneiro 19/11/13

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s