Saçurá

Saci de olhos vermelhos

pé que lhe mantém estável como pode

representação dos teus

fuma teu cachimbo em paz

deixa mergulhar o sonho de antanho

Vem a mim no meio da madruga e bagunça tudo

bate porta, quebra louça, se esconde

me trança a vida como se fosse a crina do cavalo

esconde o doce do ventre da alma quista.

Vem também ao amanhecer e na profusão de tudo

ri de mim, perdido mudo

Ah Saci de olhos vermelhos

que me faz avermelhar e ver melhor

a floresta encantada

encontrar o do pé pra trás

e esconjurar o satanás

é, Saci que borbotoa no broto oco do bambu

e me encaminha nesse redomoinho louco da vida

que roda a saia da moça que não tem mão pra segurar

que derruba o homem que quer a moça mas não consegue falar

só se sabe saci

quem sobrevoa, observa, com a tua música na mente, e sabe te encontrar.

Vai Saçurá, proteja minha casa e todas as ninhadas.

Tiago Felipe Viegas Carneiro 30/11/2013

Para o meu querido Saçurá

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s