refresco

Pitanga2

o dia amanhece quente

quero água

quero suco

sem açúcar somente com o gosto do que é real

a fruta suculenta batida na hora, gelo, água

babo na camisa branca o frescor do suco de pitanga

aquelas gotas refrescam

pequenos cristais de gelo se aninham dentro dos poros

esfria

o calor que fazia meus suores desabitarem meu corpo

secavam ao sol, sal corporal

ao passar a mão naquela secura toda esfolava

agora de sucos se molha, descongela, quente, troca de temperatura.

A preguiça então jazia lá na cama quente. Tudo derretia

Me aprazia as gotas escorrendo então pelo pelos do peito

O vento fraco que batia desquentava mas não o suficiente.

O movimento macio, suave e leve reesquentava.

O suco aplacava a sede

mas não o que há de mais sedento naquela manhã.

Tiago Felipe Viegas Carneiro  06/02/2014

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.