Ao amor

 

IMG_0878

 

 

Amores aparecem

Amores se conquistam

Amores se deixam conquistar

Amores se fazem na espreita, na espera

No concubinato, na entrega na lua cheia

no balanço da boleia

 

Amores são loucos, são inaudíveis

Sentimento longínquo advindo de muitas histórias

Amores se remetem ao leito do rio, ao ritmo da maré.

 

Amores se dão as mãos e dão o foda-se

Criam laços e refazem caminhos sempre que preciso

Amores embaraçam as pernas, trocam dedos, viram brinquedos, se molham e enlameiam, se deixam drogar de si e se permeiam

Trocam palavras e desaforos mas se redimem e tentam nunca mais cometer o mesmo erro

Amores trocam gestos e olhares vãos com um sentido que só cabem aos amantes

evocam a eternidade como se fossem deuses para um uso carnal de uma vontade que não lhes permite mais que dois passos.

 

Amores se  equivocam e depois não são mais como antes

Amor muda

Amor cala

Amor floresce

Amor resvala

Amor confere aquilo que o perdão faz tão bem feito.

Amantes não entendem que amor não gera consenso, só gera senso e sentido de um para o outro, não necessariamente para humanidade que os cerca.

Amor tem muitos defeitos e contato, e zelo, e encanto que mesmo em face ao maior desplante se refaz por natureza, pois seu alicerce é suplantar-se.

 

Brota ou brotará um dia nos corações sãos ou no dos recrudescidos pois esperança não é o que falta aos corações amorosos.

 

Amor, amor é assim, um dia de bem outro dia nem tanto, varia conforme a espécie do acalanto.

Um dia enxerga o outro em pranto e nem com o pano de prato limpo pode afagar,

nem com o balaio cheio de Itamares, Chicos, Vinícuis, Tons, Drummonds ,Maurícios Pereira podem ajudar.

Nem o corpo necessitado clamando pelo outro pode aplacar.

 

Amor demora, segundo, minuto, dias, horas num mesmo momento oportuno de ansiedade do querer amar.

Desvenda segredos, liberta degradados e longevos movimentos que o fizeram crer que aquilo que era amor não é mais amor mas era amor e amor continua e vira amor e morre amor e sossega amor sem cegar que há outros amores possíveis.

 

Amor é a aventura de perdurar pelo outro em si sempre

mesmo que se queime a língua no primeiro beijo.

 

 

 

Tiago Felipe Viegas Carneiro  13/06/2018

 

Para o amor um dia depois do dia dos amantes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s