Maceió – Minha Casa

Maceió e teus folguedos

E aqui meu fogo não alastro

Não queimo tua cana mas deito em tua areia

Areia de rio, de ritos, de praia rasa e casas de seres sem fim

Maceió e tuas guerreiras e guerreiros incendiados

Maceió e teu poetas de abasta natureza utópica

Queima a língua quem não lhe conhece ou te destrata sem saber tuas mais profundas verdades

Teu passado

Teu rio

Teu carinho provinciano

Acordas as cinco da manhã com teu sol cheio e tuas nuvens rareadas de verão

É verdade que sedento vim pra cá mas tuas águas são verdes e salgadas o suficientes para me afogar então tomo prumo pra não me lascar

A vida é rumo e sumo eu pra te adentrar

Lua cheia e como toda capital algo ainda é vazio de amor e sentidos

Mas vem a luz ainda que nuvens negras compareçam dispersando sua pequena extensão pascoalina esquecida

Sua luz brilha em meus olhos

Seu verde deixa meu castanho olhar mais conhecedor de mim.

Tiago Felipe Viegas Carneiro 23/08/2019

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.